Manuais e Livros Digitais Termometria e Termografia

www.cursotermometria.com.br

Visite a loja virtual do Canal Curso Termometria.
www.cursotermometria.com.br

Através de um ambiente seguro poderá comprar manuais e livros digitais, bem com consultoria on line e treinamentos.

Definição de Termopares

Termopares - Loja de apostilas e livros do Curso Termometria YouTube
Para estudantes e professores, condições especiais! email: temperatura@temperatura.com.br

A princípio o aquecimento da junção de dois metais gera o aparecimento de uma força eletromotriz (f.e.m.). Além disso este princípio é conhecido por efeito Seebeck propiciou a utilização de termopares para a medição de temperatura.

Termopares formado por dois metais distintos A e B sob temperatura diferentes A e B nas extremidades
Diagrama representação do circuito de um termopar

Como é feito um termopar? O que é termopar e como funciona

Antes de mais nada o termopar é formado pela junção de dois fios de ligas metálicas diferentes entre si. Do mesmo modo na sua junção, em uma das suas extremidades chamamos de junta quente e na junção onde ligamos o aparelho ou cabo de compensação/ extensão é chamada de junta fria. A sua junta quente quando submetida a uma fonte de calor ou energia (positiva ou negativa) faz com que seja gerada uma milivoltagem que é proporcional a sua junta fria, Efeito este chamado de Seebeck.

Termopares Tipo K CrAl com bloco de ligação e isolação mineral
Termopar Isolação Mineral Tipo K (CrAl) com bloco de ligação
Termopar tipo N Nicrosil Nisil com pote e rabicho de PVC/ PVC comprimento de 8 metros para verificar homogeneidade em fornos contínuos
Termopar Isolação Mineral Tipo N (Nicrosil Nisil) de 8000 mm com pote e rabicho

Do mesmo modo um termopar consiste em dois condutores metálicos, de natureza distinta, na forma de metais puros ou de ligas homogêneas. E assim os fios são soldados em um extremo ao qual se dá o nome de junta quente ou junta de medição. Por outro lado a outra extremidade dos fios é levada ao instrumento de medição de f.e.m., fechando um circuito elétrico por onde flui a corrente. Como resultado o ponto onde os fios que formam o termopar se conectam ao instrumento de medição é chamado de junta fria ou de referência.

Como sensor funciona e mede Temperatura pelo Equilíbrio Térmico

Termopares e o Efeito termoelétrico de Seebeck – O que é termopar e como funciona

Em princípio o fenômeno da termoeletricidade foi descoberto em 1821 por T.J. Seebeck quando ele notou que em um circuito fechado formado por dois condutores diferentes A e B, ocorre uma circulação de corrente enquanto existir uma diferença de temperatura ΔT entre as suas junções. Em resumo, denominamos a junção mais quente (a temperatura T) de junção de teste, e a outra (a Tr) de junção de referência. E assim, a existência de uma f.e.m. térmica “ Є ”AB no circuito é conhecida como efeito Seebeck. Enfim quando a temperatura da junção de referência é mantida constante, verifica se que a f.e.m. térmica é uma função da temperatura T da junção de teste. Em conclusão este fato permite utilizar um par termoelétrico como um termômetro.

Representação do Termopar com duas ligas diferentes A e B e o Efeito termoelétrico de Seebeck cujas extremidades estão a temperatura diferentes T e Tr
Representação do Termopar e o Efeito termoelétrico de Seebeck

Como ocorre o Efeito de Seebeck? O que é termopar e como funciona

Em primeiro lugar o efeito Seebeck se produz pelo fato de que a densidade dos transportadores de carga (elétrons em um metal) difere de um condutor para outro e depende da temperatura. Como resultado quando dois condutores diferentes são conectados para formar duas junções e estas são mantidas a diferentes temperaturas, a difusão dos transportadores de carga nas junções se produz a ritmos diferentes. Tem origem um movimento dos transportadores de carga como se fossem impulsionados por um campo não eletrostático. Da mesma forma a integral curvilínea deste campo ao longo do par termoelétrico é a f.e.m. de Seebeck.

A princípio para um valor dado de Tr, “ Є ” AB é uma função de T. Então se Tr é variada para um outro valor constante, a relação “ Є ” AB e T é a mesma, exceto por uma constante aditiva. Deduz‑se, portanto, que o valor de (vide fórmula 1) é independente de Tr, e depende somente da natureza de A, B e T. Assim a derivada (vide fórmula 1), para qualquer valor de Tr, se denomina potência termoelétrica do termopar.

Convencionou‑se dizer que o metal “A” é positivo em relação à “B”, se a corrente “I” fluir de “A” para “B” na junta de menor temperatura, isto é, “T é maior que Tr”.

Termopares e o Efeito termoelétrico de Peltier – O que é termopar e como funciona

Primeiramente em 1834 Peltier descobriu que, dado um par termoelétrico com ambas as junções à mesma temperatura, se, mediante uma bateria exterior, produz‑se uma corrente no termopar, as temperaturas das junções variam em uma quantidade não inteiramente devida ao efeito Joule. Como resultado esta variação adicional de temperatura é o efeito Peltier. Por fim o efeito Peltier produz‑se tanto pela corrente proporcionada por uma bateria exterior como pelo próprio par termoelétrico.

Em resumo, a quantidade de calor Peltier produzida por unidade de tempo é proporcional à primeira potência da intensidade da corrente, ou seta, é igual a “¶ I”. Assim a grandeza ¶ é chamada de coeficiente Peltier.

Por exemplo, temos a seguir um refrigerador Peltier esquematizado.

Esquema de um refrigerador Peltier
Esquema de um Refrigerador de Peltier

Analisando o Efeito Termoelétrico de Peltier em um termopar – O que é termopar e como funciona

Termopares - Esquema para entendimento do Efeito Termoelétrico de Peltier e seus pontos mais importantes
Efeito Termoelétrico de Peltier

Termopares e o Efeito termoelétrico de Thomson – O que é termopar e como funciona

Antes de mais nada em 1854, Thomson concluiu, através das leis da termodinâmica, que a condução de valor, ao longo dos fios metálicos de um par termoelétrico, que não transporta corrente, origina uma distribuição uniforme de temperatura em cada fio. Do mesmo modo quando existe corrente, modifica‑se em cada fio a distribuição de temperatura em uma quantidade não inteiramente devida ao efeito Joule. Por fim essa variação adicional na distribuição da temperatura denomina-se efeito Thomson.

A princípio a quantidade de calor Thomson, produzida por unidade de tempo em uma pequena região de um fio metálico, que transporta uma corrente “I” e suporta uma diferença de temperaturas dT, é igual a ”δ I dT”, sendo “δ” o chamado coeficiente Thomson. E assim, o coeficiente Thomson depende do metal de que é feito o fio e da temperatura média da pequena região considerada. Do mesmo modo em certos metais há absorção de calor, quando uma corrente elétrica flui da parte fria para a parte quente do metal e que há geração de valor quando se inverte o sentido da corrente. Em outros metais ocorre o oposto deste efeito, isto é, há liberação de calor quando uma corrente elétrica flui da parte quente para a parte fria do metal.

Como resultado, com a circulação de corrente ao longo de um fio condutor, a distribuição de temperatura neste condutor se modificará, tanto pelo valor dissipado por efeito Joule, como pelo efeito Thomson.

Limites de Erro do Termopar Norma ANSI MC 96.1 – 1982, segundo a IPTS-68

Limites de Erro Termopares Norma ANSI MC 96.1 – 1982, segundo a IPTS-68
Termopar Esses limites atendem as normas ASTM-E-230/77 – USA, UNI7938 – Itália, BS-4937 – Inglaterra, JIS C1602 – Japão e IEC 584-2 de 1982.
Termopar Tipo CuCo “T” Cobre/ Constantan
Tudo sobre Termopar Tipo T

Termopares Tipo CuCo “T” Cobre/ Constantan

Antes de mais nada o TIPO “T” é a Nomenclatura adotada Norma ANSI Cobre – Constantan

Cu (+) Co (-), o termopar é formado por dois fios assim como:

Cu (+) Cobre: Elemento formado de Cobre 99,9%.
Co (-) Constantan: Elemento formado por Cobre 58% e Níquel 42% (com variações nestes valores dependendo fabricante). Em resumo, se produz o cobre e a partir de sua característica e “casa-se” o Constantan adequado de modo a termos a milivoltagem em norma.

Faixa de Temperatura:

Em resumo, a faixa de utilização Recomendada na Prática: -150 a 260°C

Por outro lado a norma ASTM-E-230 (ITS-90): Tabela de Milivoltagem definida -270°C à 400°C

A Potência Termoelétrica, observa-se:

  • Primeiramente, a f.e.m. produzida: ‑5,333 a 19,027.
  • Em segundo lugar a Potência termoelétrica média: 5,14mV/100°C (por exemplo, para temperaturas positivas).
  • E assim o Termopar CuCo “T” Cobre/ Constantan, a Potência Termoelétrica é: 14,862mV/ 300°C.
Potência Termoelétrica do termopar Tipo CuCo “T” Cobre/ Constantan
Potência Termoelétrica do termopar T em comparação a outros termopares
Tudo sobre Termopar Tipo FeCo “J” Ferro/ Constantan
Tudo sobre Termopar Tipo J

Termopares Tipo FeCo “J” Ferro/ Constantan

Antes de mais nada o TIPO “J” é a Nomenclatura adotada Norma ANSI Ferro – Constantan

Fe (+) Co (-), o termopar é formado por dois fios assim como:

Fe (+) Ferro: O condutor elemento formado de Ferro 99,5%.
Co (-) Constantan: O elemento formado por Cobre 58% e Níquel 42% (com variações nestes valores dependendo fabricante). Contudo se produz o ferro a partir de sua característica e “casa-se” o Constantan adequado de modo a termos a milivoltagem em norma.

Faixa de Temperatura:

Em resumo, a faixa de utilização Recomendada na Prática: 0 a 700°C

Por outro lado a norma ASTM-E-230 (ITS -90): Tabela de Milivoltagem definida -210°C à 1.200°C

A Potência Termoelétrica, observa-se:

  • Primeiramente, a f.e.m. produzida: 0 a 42,922mV.
  • Em segundo lugar a Potência termoelétrica média: 5,65mV/ 100°C.
  • E assim a Potência Termoelétrica do Termopar Tipo FeCo “J” Ferro/ Constantan: 39,132mV/ 700°C.
Tudo sobre termopar CrCo tipo E Cromel Constantan
Tudo sobre Termopar Tipo E

Termopares Tipo CrCo “E” Cromel/ Constantan

Antes de mais nada o TIPO “E” é a Nomenclatura adotada Norma ANSI Cromel – Constantan

Cr (+) Co (-), o termopar é formado por dois fios assim como:

Cr (+) Cromel: Elemento formado de Níquel 90% e Cromo 10%.
Co (-) Constantan: Elemento formado por Cobre 58% e Níquel 42% (com variações nestes valores dependendo fabricante).

Faixa de Temperatura:

Em resumo, a faixa de utilização Recomendada na Prática: 0 a 810°C

Por outro lado a norma ASTM-E-230 (ITS -90): Tabela de Milivoltagem definida -270°C à 1000°C

Potência Termoelétrica:

– Primeiramente, f.e.m. produzida: 0 a 66,473mV.

– Em segundo lugar a Potência Termoelétrica média: 7,64mV/100°C.

E assim a Potência Termoelétrica: 61,017mV/800°C.

Potência Termoelétrica do Termopar Tipo CrCo “E” Cromel/ Constantan
Tudo sobre Termopar Tipo CrAl “K” Cromel/ Alumel
Tudo sobre Termopar Tipo K

Termopares Tipo CrAl “K” Cromel/ Alumel

Antes de mais nada o TIPO “K” é a Nomenclatura adotada Norma ANSI Cromel – Alumel

Cr (+) Al (-), o termopar é formado por dois fios assim como:

Cr (+) Cromel: Elemento formado de Níquel 90% e Cromo 10% (+)
Al (-) Alumel: Elemento formado de Níquel 95% e Alumínio, Manganês e Silício (-).

Faixa de Temperatura:

Em resumo, a faixa de utilização Recomendada na Prática: 0 a 1.150°C

Por outro lado a norma ASTM-E-230 (ITS -90): Tabela de Milivoltagem definida -270°C à 1.372°C

Potência Termoelétrica:

Potência Termoelétrica: 46,995mV/1.150°C.

Tudo sobre Termopar Tipo N

Termopares Tipo NicNis “N” Nicrosil/ Nisil

Antes de mais nada o TIPO “N” é a Nomenclatura adotada Norma ANSI Nicrosil/ Nisil

Nic (+) Nis (-), o termopar é formado por dois fios assim como:

Nic (+) Nicrosil: Elemento de Níquel 83%, Cromo 14% e Silício a 3%.
Nis (-) Nisil: Elemento formado por Níquel 95% e Silício 5%.

Faixa de Temperatura:

Em resumo, a faixa de utilização Recomendada na Prática: 700 a 1250°C

Por outro lado a norma ASTM-E-230 (ITS -90): Tabela de Milivoltagem definida -270°C à 1300°C

Potência Termoelétrica:

Potência Termoelétrica: 41,976mV/1.150°C.

Termopares Nobres

São aqueles que os pares são constituídos de platina. Embora possuam custo elevado e exijam instrumentos receptores de alta sensibilidade, devido à baixa potência termoelétrica, apresentam uma altíssima precisão, dada a homogeneidade e pureza dos fios termopares.

PtPtRh10% ou TIPO “S” Nomenclatura adotada Norma ANSI PtPtRh10%
PtPtRh13% ou TIPO “R” Nomenclatura adotada Norma ANSI PtPtRh13%
PtRh30% PtRh6% ou TIPO “B” Nomenclatura adotada Norma ANSI PtRh30%PtRh6%

Esses limites atendem as normas ASTM-E-230/77 – USA, UNI7938 – Itália, BS-4937 – Inglaterra, JIS C1602 – Japão e IEC 584-2 de 1982.

Termopares: Novos tipos

Primeiramente, os tipos de termopares produzidos oferecem, cada qual, uma característica especial porém apresentam restrições de aplicação, que devem ser consideradas.

Apesar disso, os novos tipos de termopares foram desenvolvidos para atender às condições de processo onde os termopares básicos não podem ser utilizados.

Termopares Tungstênio ‑ Rhênio ou Tungstênio – Rênio

Temos por exemplo, os seguintes tipos de termopares:

Primeiro, o termopar em Tungstênio/ Tungstênio 26% Rhênio.

Segundo o termopar em Tungstênio 3% Rhênio/ Tungstênio 25% Rhênio.

e finalmente em terceiro o termopar formado em Tungstênio 5% Rhênio/ Tungstênio 26% Rhênio.

Destes, o primeiro é o mais barato, porém o “braço” de Tungstênio puro está sujeito a tornar‑se quebradiço.

Em resumo esses termopares podem ser usados continuamente até 2300°C e por curto período até 2750°C no vácuo, na presença de hidrogênio puro ou gás inerte. Finalmente a ASTM (American Society for Testing and Materials) tem publicado padrões para os termopares 3/25 (Tungstênio 3% Rhênio/ Tungstênio 25% Rhênio) a 5/26 (Tungstênio 5% Rhênio/ Tungstênio 26% Rhênio) com uma tolerância de ± 1%. Isolação de Be O ou Th02 tem sido recomendada pare estes termopares, embora alguma reação posse ocorrer entre os fios e a isolação no limite superior à temperatura de utilização.

Termopares Irídio 40% – Rhodio/ Irídio ou Irídio 40% – Ródio/ Irídio

Termopares Irídio 40°% Rhodio/ Irídio são feitos a partir de proporções variáveis destes dois elementos. São os únicos que podem ser usados sem proteção no ar até 2000°C embora, somente por períodos limitados.

Podem ser usados no vácuo ou atmosfera inerte. Entretanto, os fios tornam‑se quebradiços e frágeis devido ao crescimento dos grãos após longo período de exposição a altas temperaturas.

Termopares Platina 40% Rhodio – Platina 20% Rhodio ou Platina 40% Ródio – Platina 20% Ródio

Esses termopares são utilizados em substituição ao tipo B onde temperaturas um pouco mais elevadas são requeridas. Em resumo podem ser usado continuamente até 1600°C e por curto período até 1800°C ou 1850°C.

Termopares Ouro ‑ Ferro/ Cromel

Estes termopares são desenvolvidos para trabalhar em temperaturas criogênicas porque podem ser usados até  ‑272, 15°C, porém o coeficiente de Seebeck,” dЄ / dT” , sofre uma redução abaixo de  ‑268,15°C, o qual é o limite mais realístico.

Em conclusão, as Tabelas de referência têm sido publicadas pela NBS (National Bureau of Standards).

Termopares Nicrosil/ Nisil

Em principio um termopar desenvolvido pelo “Materials Research Laboratories” do Departamento Australiano de Defesa. Atualmente este termopar tem sido aceito e aprovado mundialmente, estando inclusive normalizado pela ASTM e NBS.

Basicamente, este novo par termoelétrico é um substituto para o par tipo K; apresentando uma força eletromotriz um pouco menor em relação ao tipo K (conforme NBS 161), maior estabilidade a altas temperatures, menor drift x tempo, excelente resistência à oxidação e maior vida útil.

Por fim, este termopar já compõe a lista de termopares básico e largamente utilizado em diversas aplicações na indústria devido a sua excelente estabilidade e resistência a corrosão.

Recomendações para instalação de Termopares – O que é termopar e como funciona

1° Dica

A instalação do termopar deve ser perfeitamente adequada, para que este apresente boas característi­cas de precisão, manutenção e vida útil.                                                                                                                      

2° Dica

O comprimento da proteção e do elemento do termopar deve ser de tal forma que acomode a junta de medição, bem no meio do ambiente em que se deseja medir a temperatura. Um comprimento de inserção mínimo recomendado é da ordem de 8 a 10 vezes o diâmetro da proteção, é um procedimento comum e muito importante a fim de evitar o erro por dissipação de energia. No entanto a haste deverá estar internamente limpa e livre de componentes sulfúricos, óleos, óxidos e umidade.

3° Dica

O cabeçote é recomendado para que sejam feitas as conexões entre o termopar e o cabo de extensão, permitindo, também, a fácil substituição do elemento termopar. A temperatura no cabeçote sempre precisa estar próximo ao ambiente, além disso a junta fria deve ser respeitada, tomar o cuidado de nunca exceder a faixa de utilização recomendada para fios e cabos de extensão e compensação. Por exemplo quando utilizamos cabo de compensação isso precisa ser seguido rigorosamente.

4° Dica

Em equipamentos com aquecimento a gás ou óleo combustível, a chama não deve atingir a proteção diretamente, pois, caso isto ocorra, teremos uma medida incorreta da temperatura, além de reduzir a vida útil da proteção.

5° Dica

Quando se utilizam termopares com tubo de proteção cerâmica, antes de sua inserção em ambiente com temperatura elevada, deve‑se pré‑aquecer os tubos, a fim de evitar o choque térmico e, consequentemente, a quebra do tubo.

6° Dica

A proteção deve ser presa ao equipamento, de tal modo que se evite o escape de gases do processo pois, caso isto ocorra, estes podem vir a atacar o elemento termopar, o que diminuirá sua vida útil.

7° Dica

Nas medições de temperaturas elevadas deve‑se, preferivelmente, colocar o termopar na vertical, para evitar, assim, a deformação da proteção, devido ao peso próprio.

Ruidos em Instalações com Termopar – O que é termopar e como funciona

Em Plantas de Processo, a ação de campos elétricos e magnéticos e as diferenças de Potencial de Terra, introduzem distúrbios ou sinais espúrios (ilegítimos) nos pares transdutores de sinal que, em outras palavras são sobrepostos ao sinal verdadeiro, tendem a degradar a informação.

O ruído pode não ser um problema em sistemas convencionais de instrumentação, em situações especificas. Em outras palavras quando medimos o termopar e Pt100 diretamente sem uso de transmissor de temperatura isso é plenamente possível.

Sistemas de aquisição de dados ou computadorizados requerem o uso de vários hardwares ou técnicas de software para filtrar suas entradas de informação. Estas técnicas combatem, de diferentes maneiras, o ruído já introduzido na linha de sinal. É muito melhor, entretanto, limitar a quantidade de ruído que pode se infiltrar na linha.

Um modo de se conseguir este objetivo é através do uso de Transmissores de Sinal como elemento primário para carregar a linha com um sinal CC de alto nível. Entretanto, nas plantas onde um grande número de transdutores de baixo nível estiver envolvido é mais econômico implementar a proporção de sinal sobre ruído através de ajustes e ligações adequadas.

Compatibilidade Eletromagnética EMC e radiofrequência em Transmissores de Temperatura

Termopar e os tipos de junta quente

Um ponto importante de um termopar é a sua junta quente, porque dependendo do tipo de construção que escolhemos podemos ter ou não a correta medição de temperatura em um processo. Em outras palavras a junta quente pode se apresentar: Primeiro como junta isolada, ou seja, a ponta de medição do termopar se encontra totalmente isolada da carcaça da proteção do termopar. Em resumo essa é a forma mais comum, e é encontrada em mais de 95% das montagens na indústria.

E assim, como junta aterrada (ponta de medição em contato com a carcaça) usada muito frequentemente em processos onde o tempo de resposta é uma variável importante a ser conseguida e finalmente em terceiro como junta exposta.

A utilização de termopares com junta exposta é na maioria dos casos, para atender normas e procedimentos de testes, cuja montagem é assim especificada.

Antes de mais nada, precisamos entender o que é uma junta quente e uma junta fria?

O que é junta quente e junta fria?

O termopar por ser formado por condutores elétricos diferentes, possui, portanto, dois pontos importantes a entender. Finalmente, a solda na extremidade dos fios, a ponta onde se encontra a ponta sensora, que é chamada de junta quente e a extremidade onde fazemos a ligação chamada de junta fria.

Calibração Termopares Junta fria a zero graus

Termopar Junta Quente Isolada

Quando a junta quente do termopar não está em contato com a sua proteção, cujo valor de isolação deste distanciamento segue conforme norma, então dizemos que a junta é isolada.

Junta Quente Aterrada

Analogamente quando a junta quente do termopar está em contato com a sua proteção dizemos que a junta é aterrada.

Junta Quente Exposta

Existe também a situação onde a junta quente não tem qualquer tipo de proteção e assim dizemos ser do tipo exposta.

O que é junta fria e junta quente do Termopar?

Tempo de Resposta com termopares – O que é termopar e como funciona

Em primeiro lugar, precisamos entender que os termopares por serem pontuais em sua medição devido a solda, são os mais indicados em processos onde o tempo de resposta é uma variável importante. Por outro lado, a escolha da bitola, do tipo do termopar e o modo de fixação são pontos importantes que precisamos avaliar de modo melhorar o tempo de resposta.

Limites de Erro dos Termopares – O que é termopar e como funciona

Antes de mais nada o erro de um termopar é um dos pontos mais importantes quando de sua especificação. Do mesmo modo que a sua construção o erro é um ponto importante principalmente quando comparamos resultados entre termopares.

Quando temos um processo onde usamos termopares de inspeção, temos a possibilidade de ter como resultado a diferença entre eles na pior condição, ou seja, para um erro de +/- 0,75% da faixa de medição, em uma temperatura de 1000°C temos um erro possível de +/- 7,5°C. Por fim se considerarmos a pior condição em dois termopares em seu extremo de desvio teremos uma diferença entre eles de 15°C.

Conceito e diferença entre Precisão e Exatidão na Calibração Termopares

Termopares Classe Standard – O que é termopar e como funciona

Resumidamente das classes de precisão, a Standard é o padrão mais utilizado nos termopares, porque possui um baixo custo. Por outro lado hoje o termopar classe especial ter um custo muito próximo ao Standard, e assim estamos tendo uma padronização de ligas mais precisas no estoque dos fabricantes. Em síntese existem fabricantes de termopares minerais no mundo especializados em fabricar lotes inteiros em classe especial, diminuindo assim o seu custo.

Termopares Classe Especial – O que é termopar e como funciona

Da mesma forma os termopares classe especial tem um limite de erro que é em média, a metade da classe standard.

Livro nível básico de Leis, Princípios e Teorias sobre Termopares e Termoresistências para estudantes e usuários na indústria. O que significa Termopares

Livro nível Básico – O que é termopar e como funciona

Antes de mais nada o primeiro livro escrito pelo autor. Assim, entenda o quanto é importante entender toda teórica com visão em aplicações práticas. Sem dúvida uma obra sem igual com links de vídeos aulas para poder acompanhar.

Por exemplo, se precisar de material didático para poder ler e consultar sempre que necessário o melhor lugar para encontrá-los é https://www.cursotermometria.com.br/.

Acima de tudo a melhor opção para trabalhos escolares e como base teórica para o conhecimento da termometria industrial.

Por exemplo, caso precisar de curso on-line o endereço é https://www.curso.temperatura.com.br/

Definitivamente essa é uma obra considerada como a mais importante em teoria básica e assim conceitos essenciais para o entendimento das medições de temperatura em processo industrial.

Em conclusão, os livros básicos, intermediários e avançado são obras importante para o conhecimento em termometria.

Livro nível Intermediário Teorias, Uso e Aplicações sobre Termopares e Termoresistências para técnicos, engenheiros, manutenção e instrumentação. O que significa Termopares

Livro nível Intermediário – O que é termopar e como funciona

Primeiramente um livro baseado em toda teoria existente e aplicado em situações práticas e reais da indústria e assim considerado essencial para técnicos e engenheiros.

Acima de tudo, muito mais do que conhecer toda a teoria e as leis do livro nível básico aqui você terá exemplos de aplicações práticas. Portanto uma obra considerada como a mais importante a nível do dia a dia da indústria e sem igual!

Além disso, aproveite e peça hoje mesmo seu cupom desconto e todas as facilidades de ter esse livro de forma facilitada. Além disso estudantes e professores tem condições especiais.

Em resumo, para nós o mais importante é colaborar para que todos tenham acesso a essa informação.

Em outras palavras, entre em contato hoje mesmo e solicite ajuda para obter essa obra.

temperatura@temperatura.com.br

Livro nível Avançado de Normas, Padrões e boas práticas sobre Termopares e Termoresistências para técnicos e engenharia de manutenção e instrumentação. O que significa Termopares

Livro nível Avançado – O que é termopar e como funciona

Em resumo temos nesta obra toda a teoria baseada em normas e boas práticas de engenharia. Portanto um livro comentado por um profissional experiente.

Conteúdo exclusivo e acima de tudo inédito, em um livro baseado em uma experiência profissional de mais de 35 anos!! Totalmente comentado onde o autor deixa um verdadeiro legado.

Em resumo, o Livro Termometria nível avançado é ideal para quem faz projetos e precisa dimensionar corretamente os sensores de temperatura. instalação de sensores em tubulações, mas também aplicações em tanques, fornos, estufas, mancais entre outros.

Embora muitos não gostam de normas porém, apesar disso, essa obra com certeza despertará em você o interesse que tano precisa para buscar o conhecimento.

Inscreva-se no Canal Curso Termometria, sem dúvida o mais importante em medição de temperatura. Em outras palavras, para quem é inscrito no Canal pode solicitar um cupom desconto.

Portanto é sem dúvida a melhor opção em projetos e dimensionamento de sensores.

Por fim uma obra de alto nível com conteúdo jamais visto em qualquer outro livro. Em conclusão são conhecimentos realmente podem fazer toda a diferença em situações práticas da indústria e assim considerado o mais importante em medições de temperatura

Livro nível básico de Termografia para prestadores de serviços e usuários da indústria.

Livro Termografia nível Básico

Antes de mais nada, inscreva-se no Canal Curso Termometria, e terá assim terá acesso ao mais importante acervo de informação sobre medição de temperatura.

Embora seja um conteúdo básico sobre termografia é acima de tudo baseado em uma experiência profissional de mais de 35 anos!!

Resumidamente um conteúdo verdadeiramente inédito. Portanto, um livro essencial.

Em conclusão um livro que não pode faltar aos que trabalham ou querem trabalhar com estes importantes instrumentos de medição.

Assim um livro criado na experiência do autor. Em outras palavras, um conteúdo inédito e importante para profissionais da indústria.

Planilhas de Polinômios dos termopares

Planilha de Polinômios Termopares Básicos e Nobres

Antes de mais nada obtenha hoje mesmo essa planilhas, sem dúvida o mais importante para cálculo dos polinômios dos termopares mais usuais na indústria. São eles os modelos básicos e os nobre.

Planilhas completas! Por exemplo, uso em projetos!

Em resumo são Planilhas com dados confiáveis! Por exemplo, uso em laboratórios de calibração de sensores de temperatura.

Em conclusão, no entanto, outras planilhas mas não tão completas.

Planilhas Polinômios Termopares Tungstênio

Planilhas Polinômios Termopares Tungstênio

Antes de mais nada, obtenha essa planilha e faça cálculos usando os polinômios de vários termopares especiais inclusive os todos modelos de Tungstênio. Existem, no entanto, outras planilhas, mas não tão completas para os termopares tipo C, D e G.

Conheça essa planilha, sem dúvida com informações do mais alto nível e assim a mais importante e completa que existe com dados confiáveis para uso em projetos.

Portanto não perca tempo.

Verdadeiramente para nós o mais importante é colaborar para que todos tenham acesso a essa informação. Em outras palavras iremos facilitar ao máximo ter esses livros e este conhecimento.

Em síntese, existem, no entanto, outras planilhas, porém não tão completas.

Finalmente você pode entrar em contato por exemplo por e-mail ou WhatsApp e assim solicite ajuda para obter essa obra.

temperatura@temperatura.com.br

Sensores Temperatura Dimensionamento Imersão Termopares, Pt100 e Termômetros Termometria Termologia

Portal Termopares e Canal Curso Termometria no YouTube – O que é termopar e como funciona

Como resultado do acompanhamento dos vídeos do Canal Curso termometria os profissionais de manutenção elétrica e instrumentação terão uma evolução significativa de seus conhecimentos.

O site Portal Termopares está no ar desde 1999 e, portanto, o mais confiável e imparcial onde se encontra o melhor conteúdo da internet em medição industrial de temperatura.

Hoje o Canal Curso termometria tem mais de 300 vídeos sobre termometria Industrial e assim se destaca como uma das principais fontes de informação da internet.

Para esclarecer o portal termopares é um lugar onde encontramos toda teoria sobre sensores de temperatura e de um modo imparcial pois não nos preocupamos com a questão e sim a questão técnica.

Você precisa por exemplo saber sobre instalações e dimensionamento de sensores de temperatura, o melhor lugar é o Portal Termopares.

Circuito Ligação Termopares Consultoria Definição e Características Definições e Teoria Downloads Fabricantes onde comprar Limites de Erro Termopares O que é um termopar? Platina Postagem Termopares Sensor Pt100 Simbologia e Exercícios Slider Ligação de Termopares Tabela Cores Termopares Termopar Termoresistência Últimas Postagens

Conclusão: Um resumo de alguns pontos importantes em medição de temperatura – O que é termopar e como funciona

Em síntese termopares (O que é termopar e como funciona) podem ser usados nos mais diversos ramos de atividade da indústria.

Em suma, termopares (O que é termopar e como funciona) podem ser usados em diversos tipos de processos, e assim é necessário para isso fazer uma adequação mecânica de modo que possam ser adequadamente instalados.

Definitivamente os termopares (O que é termopar e como funciona) são usados para medir a temperatura em processos industriais que necessitam de robustez pois são mecanicamente resistentes,

Afinal quando a situação for medir temperatura por contato, a melhor opção é utilizar os termopares (O que é termopar e como funciona).

Termopares (O que é termopar e como funciona) são formados por um ponto de solda que une dois condutores, e assim é possível a medição de temperatura em uma superfície.

São largamente utilizados pela indústria e dessa forma os termopares (O que é termopar e como funciona) possuem um baixo custo nas temperaturas de operação abaixo de 1100°C.

Os Termopares (O que é termopar e como funciona) tem baixo custo, portanto são usados em larga escala nas indústrias.

Em conclusão os termopares (O que é termopar e como funciona) são elementos de medição de temperatura largamente utilizados pela indústria.

A termoresistência Pt100 é acima de tudo, utilizado em ambientes industriais que requerem maior precisão. Por exemplo, indústria farmacêutica, alimentícias, químicas e petroquímicas, entre outras.

Como resultado do uso da platina na fabricação do pt100 temos disponíveis em classes de precisão que permitem seu uso até como padrão em laboratórios de calibração.

Comments are closed.