TERMOPARES, PT100, SENSORES DE TEMPERATURA, MANÔMETROS, PRESSOSTATOS, VÁLVULAS
TERMOPARES
TEMPERATURA
OUTROS ASSUNTOS
SERVIÇOS
INFORMAMOS
ANÚNCIOS

Veja também: Introdução sobre Termopares // Teoria Termoelétrica // Efeito Seebeck //
Thomas Johann Seebeck // Efeito Peltier // Jean Charles Athanase Peltier //
Efeito Thomson // William Thomson // Outros Termopares pouco Usados //
 
EFEITO SEEBECK - THOMAS JOHANN SEEBECK

Thomas Johann Seebeck (nascido a 9 de Abril de 1770 e falecido a 10 de Dezembro de 1831) foi o físico responsável pela descoberta em 1821 do efeito termoelétrico. Seebeck nasceu no seio de uma abastada família germano-báltica de comerciantes em Reval (atualmente Tallin capital da Estónia). Formou-se em medicina em 1802 na universidade de Göttingen, tendo optado por dedicar-se à física. Em 1821, descobriu o efeito termoelétrico que refere que, uma junção de metais distintos produz uma tensão elétrica cujo valor depende dos materiais que a compõem e da temperatura a que se encontra. Este efeito é conhecido como efeito de Seebeck e é neste princípio que se baseia o funcionamento do termopar.

O fenômeno da termoeletricidade foi descoberto quando ele notou que em um circuito fechado formado por dois condutores diferentes A e B, ocorre uma circulação de corrente enquanto existir uma diferença de temperatura "T" entre as suas junções. Denominamos a junção mais quente (a temperatura T) de junção de teste, e a outra (a Tr) de junção de referência. A existência de uma f.e.m. térmica AB no circuito é conhecida como efeito Seebeck. Quando a temperatura da junção de referência é mantida constante, verifica-se que a
F.E.M. térmica é uma função da temperatura T da junção de teste. Este fato permite utilizar um par termoelétrico como um termômetro.

TERMOPARES, PT100, SENSORES DE TEMPERATURA, MANÔMETROS, PRESSOSTATOS, VÁLVULAS
O efeito Seebeck se produz pelo fato de que a densidade dos transportadores de carga (elétrons em um metal) difere de um condutor para outro e depende da temperatura. Quando dois condutores diferentes são conectados para formar duas junções e estas são mantidas a diferentes temperaturas, a difusão dos transportadores de carga nas junções se produz a ritmos diferentes. Tem origem um movimento dos transportadores de carga como se fossem impulsionados por um campo não eletrostático. A integral curvilínea deste campo ao longo do par termoelétrico é a F.E.M. de Seebeck.
Para um valor dado de Tr, AB é uma função de T. Se Tr é variada para um outro valor constante, a relação AB e T é a mesma, exceto por uma constante aditiva. Deduz-se, portanto, que o valor de é independente de Tr, e depende somente da natureza de A, B e T. A derivada , para qualquer valor de Tr, se denomina potência termoelétrica do termopar.

Convencionou-se dizer que o metal "A" é positivo em relação à "B", se a corrente "I" fluir de "A" para "B" na junta de menor temperatura, isto é, "T é maior que Tr".
Baseado nesse efeito podemos construir um gráfico que representa a variação da f.e.m. com a temperatura, considerando Tr =O°C.
Definimos o "coeficiente de Seebeck" como a variação de diferença de potencial por unidade de variação de temperatura para uma corrente elétrica nula:

 
TERMOPARES, PT100, SENSORES DE TEMPERATURA, MANÔMETROS, PRESSOSTATOS, VÁLVULAS

Utilização:

Atualmente o efeito Seebeck é muito utilizado para a construção de termômetros em que se mede diferença de temperatura através de um voltímetro calibrado para este fim.Outra aplicação deste mesmo efeito é a construção de pilhas atômicas (Gerador termoelétrico de radioisótopos) para produzir pequenas potências, mas de longa duração, o que é necessário em situações especiais como na sonda Cassini-Huygens.

Desvantagem:

A maior desvantagem da utilização da geração de energia termelétrica direta , é a baixa potência. Isto obrigaria a construção de milhares de células termelétricas para a obtenção de alguns watts de potência.O efeito Seebeck é a produção de uma diferença de potencial (tensão elétrica) entre duas junções de condutores (ou semicondutores) de materiais diferentes quando elas estão a diferentes temperaturas (força eletromotriz térmica).

É o reverso do efeito Peltier que é a produção de um gradiente de temperatura em duas junções de dois condutores (ou semicondutores) de materiais diferentes quando submetidos a uma diferença de potencial (tensão elétrica) em um circuito fechado (conseqüêntemente, percorrido por uma corrente elétrica).

Estes dois efeitos podem ser também considerados como um só e denominado de efeito Peltier-Seebeck ou efeito termelétrico.

Veja também: Correlação da F.E.M. // Curva da Variação da F.E.M. Termopares //
Faixa Utilização Termopares // Novos Termopares pouco usados // Normas de Temperatura //
Tabela de Milivoltagem Termopares // Limites de erro Termopares // As 3 leis básicas //
Lei dos Metais Intermediários // Lei do Circuito Homogênio // Lei das Temperaturas Intermediárias //
TERMOPARES, PT100, SENSORES DE TEMPERATURA, MANÔMETROS, PRESSOSTATOS, VÁLVULAS
Proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site sem a expressa autorização do autor ou citação da fonte www.termopares.com.br
Temperatura - Pressão © 1999 - 2013 - SP - www.termopares.com.br - www.asme.com.br - www.Apraiagrande.com.br
Conteúdo destinado a Estudantes, Profissionais de Instrumentação, Automação, Projetos com o objetivo de esclarecer e tirar dúvidas.
O Portal não se responsabiliza por qualquer uso indevido de seu conteúdo sem a presença de um profissional responsável.