TERMOPARES
TERMOPARES
PT-100
OUTROS ASSUNTOS
SERVIÇOS
INFORMAMOS

O princípio de medição de temperatura utilizando termômetros de resistência se baseia na variação do valor da resistência elétrica de um condutor metálico em função da temperatura. De uma forma aproximada, mas nem por isso muito longe do real, a variação da resistência elétrica de um metal em função da temperatura pode ser representada pela expressão:

R(t) = R0 (1 + at)

onde:
R(t): Resistência elétrica à temperatura "t";
R0: Resistência elétrica à temperatura de 0ºC;
a: Coeficiente de variação da resistência elétrica em função da temperatura, medido em ºC;
t: Temperatura, medida em ºC;

Um estudo mais detalhado mostra que o coeficiente "a" varia em função da temperatura, e esse fato deve ser considerado nos termômetros de resistência, principalmente quando os mesmos são utilizados para medição em um intervalo de temperatura acima de 100ºC. Dentre os metais, aqueles que se mostraram mais adequados para a utilização na termometria de resistência são:

1 - Liga de Rh99,5% x Fe0,5%:
Utilizado para medição de temperatura na faixa de 0,5K a 25K (-272,65ºC a -248,15ºC);

2 - Cobre:

Utilizado para medição de temperatura na faixa de 193,15K a 533,15K 9 (-80ºC a 260ºC). Possui uma linearidade de 0,1ºC em um intervalo de temperatura de 200ºC. Entretanto, sua baixa resistência à oxidação limita a sua faixa de temperatura de utilização.

3 - Níquel:

Utilizado para medição de temperatura na faixa de 213,15K a 453,15K (-60ºC a 180ºC). Os principais atrativos na sua utilização são seu baixo custo e alta sensibilidade. Sua principal desvantagem é a baixa linearidade.

4 - Platina:

Utilizado para medição de temperatura na faixa de 25K a 1235K (-248ºC a 962ºC). É o metal mais utilizado na construção de termômetros de resistência, pela sua ampla faixa de utilização, boa linearidade e melhor resistência à oxidação. Suas características serão apresentadas com mais detalhes a seguir.

Entre estes materiais, o mais utilizado é a platina, pois apresenta uma ampla escala de temperatura, uma alta resistividade permitindo assim uma maior sensibilidade, um alto coeficiente de variação de resistência com a temperatura, uma boa linearidade resistência x temperatura e também ter rigidez e dutibilidade para ser transformada em fios finos, além de ser obtida em forma puríssima. Padronizou-se então a termoresistência de platina.
A equação matemática que rege a variação de resistência em função da temperatura chama-se de equação Callendar-Van Dusen e que está mostrada abaixo:


Para o range de -200 a 0°C:
Rt = RO.[1 + At + Bt2 + Ct3.(t-100)]

Para o range de 0 a 850°C:
Rt = R0.[1 + At + Bt2]


onde:
Rt = resistência na temperatura t
R0 = resistência a 0°C
t = temperatura °C
A, B e C = coeficientes determinados pela calibração:A = 3.90802.10 exp-3 (°C exp-1)
B = -5,802. 10 exp-7 (°C exp-2)
C = -4,27350. 10 exp-12 (°C exp-4)

Veja também: Variação ôhmica Resistência // Tabela Variação ôhmica Cobre 10 // Calibração Pt-100 //
Tabela Variação ôhmica Pt-100 //
Limites de erro do Pt-100 // Resistência de Isolação Pt-100 //
Vantagens e Desvantagens Pt-100 x Termopar //Auto aquecimento Pt-100 //
EM CASO DE DÚVIDAS...

Para isto, basta enviar um e-mail a nossa redação como segue:


termopares@termopares.com.br

  ÚLTIMAS DICAS E DEPOIMENTOS DE USUÁRIOS...  

Proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site sem a expressa autorização do autor ou citação da fonte www.termopares.com.br
Temperatura - Pressão © 1999 - 2013 - SP - www.termopares.com.br - www.asme.com.br - www.Apraiagrande.com.br
Conteúdo destinado a Estudantes, Profissionais de Instrumentação, Automação, Projetos com o objetivo de esclarecer e tirar dúvidas.
O Portal não se responsabiliza por qualquer uso indevido de seu conteúdo sem a presença de um profissional responsável.